O grande evangelista americano Billy Graham disse o seguinte sobre tempos difíceis: ;”Os topos das montanhas são bons para ver belas paisagens e ser inspirado, mas a fruta cresce nos vales”.

No meio de tudo que está acontecendo no mundo, é fácil sentir que estamos em um vale. Mas é ali que testemunharemos os frutos que Deus nos prometeu. Este não é um momento para desconectar e negligenciar o ministério, pelo contrário, é uma oportunidade de crescer em oração, ir mais fundo na Palavra de Deus, conquistar nossos vizinhos, e fazer o altar da família.  

Hoje queremos compartilhar dois depoimentos de mulheres que participaram das reuniões que tivemos na MCI Bogotá em fevereiro. Oramos para que esses testemunhos nos lembrem do valor de uma alma e que sempre valha a pena semear naqueles ao nosso redor. 

Eu nasci e fui criado em uma família católica, que me criou com suas crenças.  Quando eu tinha quatro anos, meu pai era infiel à minha mãe e ela decidiu fazer o mesmo com ele, desde então eu não me lembro de um único dia sem nenhuma de suas grandes lutas.

Quando fiz seis anos, comecei a ficar sozinha por mais de 16 horas por dia em casa, então tive que aprender a cozinhar, e aos 8 anos já sabia fazer e decorar bolos. Sonhei em ser chefe até os 9 anos quando meu primeiro cachorrinho morreu, pois lá comecei a me interessar pelo bem-estar dos animais e decidi que seria veterinária. Meses depois ele morreu de câncer, o homem que tinha sido minha figura paterna, lá comecei a questionar Deus e aos poucos perdi a fé.

Quando eu tinha 10 anos me tornei ateia  e as brigas na minha família pioraram, então cresci me sentindo sempre sozinha e assustada, tive que aprender a resolver os desafios da minha idade e assim por diante, sem a ajuda dos meus pais. Enquanto eu tiver uma lembrança que sofri de bullying na escola, minha auto-estima estava no chão. Aos 12 anos comecei a sofrer assédio sexual e tentativa de estupro, então decidi cortar meus pulsos; Tantas coisas ruins aconteceram comigo e eu tive que enfrentá-la sozinha, questionei minha existência, a dos meus pais e do meu irmão, (eu não tinha mencionado isso antes porque não me lembro dele estar lá).

 Com o passar do tempo, busquei afeto e conforto nas pessoas erradas.  Quando eu tinha 13 anos, meus pais descobriram que eu estava cortando meus pulsos e disseram ao meu irmão, que até então já frequentava uma igreja cristã. Um dia ele veio até a casa para me ajudar com uma atividade e decidiu tocar música, nenhum cantor cristão me interessou porque eu era ateia; mas de repente ele colocou Trapstorno de Redimi2, e eu imediatamente amei sua música, tanto, que eu memorizei um disco inteiro em duas semanas, eu continuei ouvindo!

 Um dia liguei para o meu irmão e disse-lhe que se ele não me levasse à igreja no sábado, eu nunca iria. Então naquele sábado, 28 de julho de 2018, ele me levou. Generacion 12 foi tocando uma música em colaboração com Redimi2 (Seu amor não tem fim). Embora eu tivesse ouvido várias vezes, eu não sabia como era louvar a Deus, e quando eu vi Daniel (meu irmão) fazer isso, a primeira coisa que eu pensei foi, “Ele é louco!  Mas eu não queria ser a única, então fechei os olhos e saí para ouvir a música; Quando a parte de Redimi2 chegou eu senti algo no meu coração, eu não sabia o que estava acontecendo, mas eu queria chorar. Ninguém me conhecia na igreja, mas ouvi alguém dizer meu nome, quando abri meus olhos e me virei para olhar,não havia ninguém, mais lágrimas escorriam dos meus olhos. Na pregação eles disseram que Deus tocou a porta de nossos corações e deveríamos abri-la, para que Ele nos chamasse de Seus filhos; essas palavras foram as que transbordaram meu copo. 

 Há um ano e oito meses eu dei meu coração a Jesus, estou terminando a Universidade da Vida, que tem sido uma experiência sobrenatural, certamente a coisa mais difícil de todas foi perdoar, mas eu fiz isso!  Como meus pais estão sempre procurando desculpas para não me deixar ir à igreja, como não ter dinheiro, tomei a decisão de vender doces, papelaria e outras coisas na escola, para que eu pudesse ter para o transporte e não perder minhas reuniões.  Hoje posso dizer que sou filha de Deus e sei que farei de tudo para defender meu novo nome.                                 

Gabriela Pirajan

——-

Alguns anos atrás, Deus me disse que meu nome era seu favorito e que eu era muito amada por Ele, por mais que tentasse, não podia ter intimidade com Deus. Dois anos atrás eu me interessei em procurar Jesus, mas eu era morna, pois  tinha um pé dentro e um pé fora, e eu não queria me comprometer por medo do fracasso. 

 Algumas semanas atrás eu tive a oportunidade de conhecer alguém da igreja para trabalhar, ela é definitivamente uma pessoa muito especial e por coisas que só Deus entende, essa situação se tornou uma oportunidade, porque ela me convidou para um encontro e Deus me disse que esse era o momento, eu concordei em participar e lá, o Senhor transformou minha vida. No primeiro dia da manhã, eu não conseguia me conectar, embora eu soubesse e entendesse todos os pecados que pesavam sobre mim, eu não estava tendo uma rendição real; então eu comecei a pedir a Deus para me ajudar, porque eu não queria sair como eu tinha vindo.  Meu objetivo era claro, eu queria que o Espírito de Deus me deixasse conhecê-lo, eu queria encontrá-lo neste caminho.

Eu queria encontrá-lo nesta estrada.

 Um dos guias me abraçou e lá Deus me disse: “Você é uma filha minha e uma muito bonita”. Ela começou a falar em línguas e naquele momento meu coração se partiu, comecei a ver todos os meus pecados e ajoelhei-me.  Enquanto de joelhos eu sentia uma presença diferente que tentava falar no meu ouvido e ainda tinha medo, não me deixava me concentrar, acho que Satanás estava determinado a desconcentrar, mas orei, pedindo que pelo sangue de Jesus eu fosse embora e deixasse de sentir essa estranha presença;  Continuei me arrependendo e comecei a sentir alívio no meu coração.  

 À tarde entrou a pastora Perla, uma pessoa que me chocou desde o pré-encontro, porque toda vez que ela oraava, eu sentia algo muito especial naquele lugar.  Lembro-me que ela disse algo que me marcou: “Se queremos que o Espírito Santo esteja em nós, devemos primeiro tirar tudo dentro para que Ele possa entrar.” Enquanto eu continuava a me desculpar, a libertação começou, eu gritei, gritei como se minha vida estivesse fora de mim, e a cada grito eu sentia meu corpo mais leve. Então era hora de adorar o Espírito Santo, e eu senti algo estranho na minha boca, de repente alguém veio até mim falando em línguas e eu caí de joelhos, minha língua e minha boca começaram a se mover de uma forma que eu não podia controlar, me movia rápido e eu podia sentir e ouvir uma língua verdadeira, eu me lembro de me sentir muito feliz e calma. 

 No domingo cheguei com a mesma disposição, ouvi atentamente cada pregação, cada testemunho, e à medida que a noite chegou, pedi ao Espírito Santo para continuar trabalhando em mim, que queria reviver sua presença. E assim foi! No momento em que orava para que alguém voltasse e me tocasse enquanto eu estava ajoelhada, passei muito tempo falando em línguas que nunca ouvi, senti calor intenso nas costas, garganta e braços, quanto mais orei mais livre eu me senti. Então eu fico na reunião de família, e enquanto eu estava orando que aquela igreja era o meu lugar.

 

Toda essa semana comecei meu dia às 4:40 da manhã e meu primeiro encontro foi com Deus, mas não tinha falado em línguas novamente, até ouvir uma pregação sobre como abrimos portas para demônios, Deus me perturbou e me mostrou que ainda havia coisas pelas quais eu não tinha pedido perdão e que eu estava fazendo errado.  Senti uma profunda tristeza e me arrependi, e rezei no final da pregação, no final daquela oração, senti aquela presença especial novamente. Acho que passei meia hora falando em línguas, e fotos da minha família passaram pela minha mente, ouso pensar que o Espírito pediu por todos eles. Minha casa está mais leve e mais leve daquele dia. Obrigado Espírito Santo!

Josefina Araujo

 

 As histórias dessas duas mulheres nos lembram que temos a resposta que o mundo está procurando agora. Talvez o choque que o mundo tenha te levado a se perguntar onde está a alegria que Deus me prometeu no início do ano? Abundância? Paz? Hoje quero dizer que as promessas dele ainda estão cumpridas. Isaías 55:11 nos diz que Sua Palavra não o fará vazio, mas fará o que Ele quiser e será próspero no que Ele enviou para que ele a enviou.  Deus cumprirá a promessa de trazer salvação para sua casa, restaurar seu relacionamento com seus filhos, e crescer seu ministério. As montanhas são boas para nos inspirar, mas o trabalho está nos vales. E neste vale de incerteza, Deus quer glorificar em todas as áreas de nossas vidas. 

Suba a montanhas todas as manhãs, busque sua presença e se encha com Ele! (Em breve estaremos compartilhando diferentes meios para mantê-lo conectado). Então você pode florescer no meio deste vale. É hora de evangelizar, fazer sua célula crescer, e ver o poder de Deus fluir através de você!

 

Recent Posts

Start typing and press Enter to search